Surf brasileiro pode ter hoje (01) um novo campeão na Final do Rip Curl Grom Search na praia de Maresias em São Sebastião

SURFISTAS NO DESAFIO TAMO JUNTO E JOGANDO FUTEBOL

SURFISTAS NO DESAFIO TAMO JUNTO E JOGANDO FUTEBOL

O Brasil pode ter um novo campeão na Final do Rip Curl Grom Search, apresentado por GoPro, o principal campeonato de surf sub16 no Mundo. Depois de Gabriel Medina em 2010, na Austrália, Samuel Pupo é apontado como o grande nome nesta edição, realizada pela primeira vez no Brasil, justamente como homenagem ao campeão do WCT em 2014. O evento começa nesta sexta-feira (1º), na Praia de Maresias, em São Sebastião, reunindo 16 surfistas (oito no masculino e oito no feminino), de dez países.

Eleito como o quinto melhor surfista sub16 do Mundo pela conceituada Revista Surfer, o “Hot 100”, Samuca tem a vantagem de competir em frente de sua casa. “Estou bem tranquilo e quero muito esse título. É um passo importante, que abre as portas, como o Medina já disse. Tenho fé que vou surfar bem”, afirmou o surfista de apenas 14 anos, irmão do top do WCT, Miguel Pupo.

“Com certeza, pelo que estamos vendo nos treinos dos finalistas, o Samuel é um forte candidato. Tem potencial para chegar a esse título”, acrescentou o diretor de prova, Fernando Gonzalez. Já entre as meninas, a briga é boa. Entre as cotadas está a costarriquenha Leilane McGonable. “Estou gostando muito de estar aqui e o campeonato será bem forte”, comentou a atleta de 15 anos.

O Rip Curl Grom Search Internacional tem uma longa tradição de formar grandes profissionais. Gabriel Medina é um dos grandes exemplos. O anfitrião desta edição no Brasil, que inclusive acompanhará as finais, venceu em 2010, ainda como amador e iniciou sua “arrancada”, chegando ao topo do Mundo como profissional apenas cinco anos depois.

Outros vencedores do Rip Curl Grom Search Internacional também confirmam a força desta conquista, estrelando o WCT, como as havaianas Tatiana Weston Webb, bicampeã do Grom Search em 2012 e 2013, e Malia Jones, a melhor em 2008, os irmãos australianos Owen e Tyler Wright, ele em 2006, ela em 2007, e Niki Van Djik, também da Austrália, bicampeã em 2009 e 2011.

A “janela” de espera pelas melhores condições de ondas começou na terça-feira e nesses três dias de intervalo os jovens atletas tiveram várias atividades. Entre os destaques o Brasil x Mundo no ‘Tamo Junto’ Surf Treino e ainda um jogo de futebol. No primeiro desafio, foram 12 brasileiros contra os 12 estrangeiros, com vitória da equipe internacional, mas jogando bola os “donos da casa” deram o troco.

“Promovemos uma programação para a garotada treinar, se divertir, garantindo um espírito de confraternização”, explicou Marcelo Guedes, do marketing da Rip Curl no Brasil, lembrando que a abertura do evento, na segunda-feira, contou com a prestígio de Gabriel Medina, também confirmado como espectador nas finais e como companheiro de ondas na última atividade do evento, no domingo, numa sessão de surf num “secret spot”, no litoral norte.

As disputas começam nos dois dias às 9 horas. A competição terá seus dois primeiros rounds sem eliminação, seguidos de baterias homem x homem, valendo classificações até a grande decisão. Dos 16 finalistas, quatro são brasileiros. Além de Samuel Pupo, estarão Kayane Reis, que já disputou a final internacional em 2014, na Indonésia, e dois convidados, Heitor Duarte e Lorrana Lima, ambos surfistas de São Sebastião, como forma de o evento interagir com a comunidade local.

A Final Internacional do Rip Curl Grom Search em Maresias é apresentada por GoPro – Be a Hero, com apoios de Posca e Coconut’s Maresias Hotel. Colaboração da Federação Paulista de Surf, Prefeitura de São Sebastião, Associações de Surf de Maresias (ASM) e de São Sebastião (ASSS). Cobertura da Revista Fluir e Site Waves, com divulgação da FMA Notícias e realização da Rip Curl.

Foto: Divulgação/ MUNIR EL HAGE

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

Protected by WP Anti Spam