Pescador Oscar Faria fisgou um robalo-flecha de mais de 33 kg hoje (08) na Praia de Guaratuba em Bertioga

A canoa, batizada como ‘Boto 2’, utilizada na grande pescaria, era do bisavô de David. Deraldo Farias era pai de Oscar e também pescador. A tradição foi passada de pai para filho e, segundo eles, acabou dando sorte para a nova geração.“A nossa canoa tem muito tempo. São 81 anos. Ela passa de geração para geração. Meu pai é bem conhecido na região. A gente pratica a pescaria a remo. Meu avô era pescador também. A base do nosso sustento, desde 1989, é a pescaria, é a nossa fonte de renda”, afirma David.

Bertioga, no litoral de São Paulo, conseguiu uma façanha digna de ‘Guiness Book’ no último domingo (8). Utilizando uma canoa de 81 anos de idade, o pescador Oscar Faria fisgou um robalo-flecha de mais de 33 kg. O animal, considerado um dos maiores do mundo já capturados, virou atração entre os moradores e turistas da cidade.

Oscar e os companheiros foram, no fim da tarde, para a Praia de Guaratuba. Eles praticam a pesca de arrasto, em que a rede é jogada no mar a cerca de 500 metros da praia. Desta vez, os pescadores tiveram uma surpresa. “A rede vai dentro da canoa. Ultrapassamos as ondas, jogamos a rede, cercamos e puxamos. Por volta das 20h, tiramos a estrutura. Ficamos cerca de 40 minutos puxando”, conta o filho de Faria, David Oscar, de 19 anos.

Os pescadores se surpreenderam quando viram a grande quantidade de peixes da espécie xaréu na rede e, principalmente, um grande robalo-flecha. “Como sempre, é aquela emoção, todo mundo comemora. Hoje em dia não está fácil encontrar tantos peixes. O robalo tinha quase o tamanho do meu primo, mais de 33 kg, e foram cinco toneladas de peixes”, falou.

Oscar e os ajudantes levaram todos para a Praia de Guaratuba. Na areia, eles começaram a contabilizar o resultado da pescaria e acionaram a Peixaria da Luiza, conhecido comércio da cidade. O estabelecimento enviou caixas e um caminhão para ajudar a transportar os peixes. Das cinco toneladas, três foram para a banca da Luiza e a outra parte foi distribuída para a comunidade.

A canoa, batizada como ‘Boto 2’, utilizada na grande pescaria, era do bisavô de David. Deraldo Farias era pai de Oscar e também pescador. A tradição foi passada de pai para filho e, segundo eles, acabou dando sorte para a nova geração.“A nossa canoa tem muito tempo. São 81 anos. Ela passa de geração para geração. Meu pai é bem conhecido na região. A gente pratica a pescaria a remo. Meu avô era pescador também. A base do nosso sustento, desde 1989, é a pescaria, é a nossa fonte de renda”, afirma David.

Especialista
De acordo com o biólogo e pesquisador do Instituto de Pesca de Santos, Antonio Olinto Ávila da Silva, o xaréu é um peixe que vive na costa e na superfície. A espécie, geralmente, anda em cardumes, o que explica o fato de terem sido capturados cerca de cinco toneladas do peixe. Já o robalo, segundo o pesquisador, vive dentro do estuário.

“O xaréu fica mais perto e o robalo mais longe da costa. Elas não vivem em um mesmo ambiente, mas o mar não tem fronteiras. Com os deslocamentos marinhos, pode ocorrer um encontro deles”, explicou o biólogo.

Segundo Olinto, um robalo de 33 kg é um ponto fora da curva. “É uma boa captura. O macho flecha realmente cresce mais. Ele pode chegar a 1,40 metro e na faixa de 24,3 kg. Esse foi o maior tamanho publicado na bibliografia acadêmica científica. Realmente é um bicho grande”, comentou.

Ainda de acordo com o especialista, não é possível saber se esse é o maior que já foi capturado, por conta das competições de pesca e também de pescarias artesanais que, muitas vezes, não são publicadas em lugar nenhum. Porém, com certeza, é uma pesca inusitada. “É uma pesca que realmente chama a atenção. Pode acontecer, mas com essa quantidade e esse tamanho de robalo, não é frequente”, disse.

Lei ambiental
De acordo com a Fundação Florestal, responsável pela Área de Proteção Ambiental (APA) Marinha Litoral Centro, a pesca de arrasto é permitida pela Resolução SMA 51/201, que regula o exercício de atividades pesqueiras profissionais realizadas com o uso de redes nas praias inseridas nos limites da APA Marinha Litoral Centro, criada pelo Decreto nº 53.526, de 8 de outubro de 2008, e dá outras providências.

A referida pesca ocorreu na Praia do Guaratuba e teve inicio às 19h30, dentro do horário permitido para o desenvolvimento do arrasto de praia no local. A restrição de horário é das 9h às 19h no período de alta temporada. Ressalta-se, segundo a resolução, que a Praia do Guaratuba é considerada não urbanizada e com baixa frequência de banhistas. Deste modo, durante os meses de março a novembro, excetuando-se os fins de semana e feriados, a pesca com a utilização desses petrechos é permitida em qualquer horário.

Foto: Divugação/ Facebook da famila do Radialista Silvio Santos que foi fundadora da praia de Boraceia no Cantão do Itagua

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

Protected by WP Anti Spam