Justiça Federal retira as medidas de acusações contra o ex-prefeito Ernane Primazzi (PSC) feitas em São Sebastião

Justiça Federal retira as medidas de acusações contra o ex-prefeito Ernane Primazzi (PSC) feitas pela “Mafia de Carguá ” que atua hoje em São Sebastião

O juiz federal Carlos Alberto Antonio Junior revogou todas as medidas cautelares impostas aos investigados na Operação Torniquete, deflagrada pela Polícia Federal (PF), em novembro. Com a decisão, o ex-prefeito, Ernane Primazzi (PSC) e mais 37 investigados não tem mais a obrigação de comparecimento mensal em juízo, ou proibidos de frequentarem as dependências da Prefeitura e do Hospital de Clínicas de São Sebastião (HCSS). Também foi revogada a proibição dos investigados de manterem contatos entre si, de sairem do país, ou de ausentarem de sua residência por mais de uma semana sem autorização da Justiça. Além de revogar também a suspensão do exercício de função pública, e a indisponibilidade dos bens.

A Operação da PF, que tem o apoio da Controladoria Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF), apura propina em contratos da Prefeitura e desvios de recursos na Saúde, no serviço de coleta de lixo, e em obras públicas em São Sebastião. Além de vícios no processo licitatório que direcionava ganhos a uma empresa nos dosi mandatos Ernane, entre 2009 e 2016.

Segundo os apontamento do MPF, há uma organização em que as condutas criminosas derivam de três núcleos: Operacional, com quatro investigados, Empresarial, com 13 suspeitos, e Político, com 10 suspeitos –  além de outros 11 familiares do ex-prefeito, também investigados.

O juiz justificou a decisão por entender que houve excesso de prazo na formação da culpa e “dúvidas razoáveis sobre a competência deste juízo na investigação”. Para o magistrado, muitas dessas medidas já perderam eficácia no momento em que foi cumprida a diligência policial – quando houve busca e apreensão e quebra de sigilos dos suspeitos. Contudo, os bens objeto de busca e apreensão, enquanto tiverem interesse à investigação, devem ser mantidos em custódia.

Segundo o juiz, até o momento, desde quando a Operação foi deflagrada, não houve apresentação de denúncia, e nem relatório final de inquérito. Assim, entende como ilegal a manutenção das medidas cautelares por prazo indefinido.

Foto: Divulgação/Fecebook de Ernane Primazzi 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

Protected by WP Anti Spam