Ampliação da Rio-Santos, Porto de São Sebastião e aeroporto em Ubatuba estão incluídos no Plano de Concessões do governo lançado hoje (09) em Brasilia

Vamos expandir os investimentos não só para as capitais, como para os regionais, onde são operados por prefeitos e governadores. Isso deve modernizar a capacidade de operação pela Infraero”, afirmou o ministro do Planejamento Nelson Barbosa, durante pronunciamento oficial

Vamos expandir os investimentos não só para as capitais, como para os regionais, onde são operados por prefeitos e governadores. Isso deve modernizar a capacidade de operação pela Infraero”, afirmou o ministro do Planejamento Nelson Barbosa, durante pronunciamento oficial

Além da construção do aeroporto em Ubatuba, também está prevista a concessão de terminais no porto de São Sebastião. O investimento aplicado e total de terminais no local ainda não foram divulgados, mas o plano prevê liberação de R$ 7,2 bilhões para dez portos em todo o país.
Também está prevista a concessão da rodovia Rio-Santos (BR-101), que liga o litoral fluminense ao paulista. A via terá investimento de R$ 3,1 bilhões para ampliação da capacidade do trecho até Ubatuba, via de turismo, com concessão do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro.
A nova etapa do Plano de Concessões do governo federal, lançado nesta terça-feira (09) prevê investimentos de R$ 198, 4 bilhões para infraestruturas de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos em todo o país
Trata-se de uma nova fase do programa de logística lançado em 2012 pelo governo, reavaliando os valores e incluindo novas concessões. Os investimentos devem acontecer entre 2015 e 2018.

“Lançado o ‘mais promessas’”, análise do Instituto Teotonio Vilela
O programa lançado ontem pela presidente Dilma Rousseff poderia muito bem ser batizado de “Mais Promessas”. O amontoado de obras de infraestrutura que compõem o pacote de concessões ressuscita iniciativas do passado que não saíram do papel, junta projetos mirabolantes e assemelha-se a uma vistosa carta de intenções.
O “Mais Promessas” busca cumprir agora o papel que no passado já foi do PAC, das primeiras rodadas de concessões, das obras da Copa do Mundo e dos “pactos” anunciados pelo governo em resposta aos protestos de junho de 2013. Todos sempre com mesmo viés: criar sentimento positivo e sensação de que o governo age. Todos deram em nada.
Desta vez, o “Mais Promessas” tem um objetivo adicional: virar a página de más notícias que caracterizam os seis meses iniciais do segundo mandato de Dilma. Na prática, o “Mais Promessas” chega para suceder o “Mais Maldades”, o arrocho recessivo que aumenta impostos, corta direitos trabalhistas e benefícios previdenciários posto em prática pelo PT.
De concreto, temos que apenas um terço das obras anunciadas ontem podem vir a se tornar realidade até o fim do governo de Dilma. Se isso acontecer, ainda assim o impacto na economia será mínimo: cerca de R$ 17 bilhões em investimentos anuais numa economia que investe R$ 1,1 trilhão a cada 12 meses.
Dos cerca de 130 projetos que compõem o “Mais Promessas”, 66 já constavam do fracassado programa anunciado em agosto de 2012. Estão nesta condição todos os portos, a maior parte das ferrovias e algumas rodovias, como a BR-262 entre Minas e Vitória e o trecho baiano da BR-101. Outros cerca de 40% são vertigens, sorvedouros de dinheiro público, como a ferrovia Bioceânica, e projetos de concessões já existentes.
Mas a iniciativa tem também seu caráter positivo. Representa mais um passo na conversão do PT às privatizações como melhor maneira de recuperar a estrutura viária do país. Enquanto relutou, o petismo nos empurrou para trás: desde o início do governo Dilma, caímos quase 40 posições no ranking de infraestrutura do Fórum Econômico Mundial. Nossa competitividade também decaiu e assumiu as piores condições da história.
Também se constitui num possível sepultamento do modelo estatizante que esteve presente em boa parte das iniciativas dos últimos anos e que produziu ruínas em forma de recessão econômica, inflação alta, desestruturação produtiva e desemprego. Oxalá, o pragmatismo tenha vindo mesmo para ficar e a experimentação ideológica tenha ficado pelo caminho.
Resta, mais uma vez, saudar a conversão, ainda que tardia, do petismo ao modelo econômico que dá certo. Bem-vindo, PT, de novo às privatizações! Quem sabe desta vez os petistas acertem, porque o Brasil não aguenta mais tantos experimentos mal sucedidos de tantos aprendizes de feiticeiros.
Foto: Divulgação/NBR

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

Protected by WP Anti Spam